quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O Feliz Natal e a Regra dos 3 "S"

Para meus amigos blogueiros, insônes e todos aqueles que nos prestigiam, segue a mensagem de Natal postada em forma de vídeo (bem tosquinho, é verdade, mas é o que eu sei fazer...rsrsrs)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Rádio - Além de tudo, uma porta aberta para sua imaginação

Há 29 anos comecei a ouvir rádio FM, era a Rádio Cidade. Ouvir música tinha ficado mais fácil, não precisava mais fazer cópias em fitas cassetes de LPs no 3 em 1, para poder ouvir no rádio gravador National de minha mãe, que podia ser levado para qualquer lugar (da casa).

Até então o que eu conhecia de rádio era o AM que minha mãe ouvia pela manhã. Lembro que ela acordava ouvindo o Vicente Leporace, com seu programa na Rádio Bandeirantes AM. O canto do Uirapuru ficou marcado em minha memória, era a vinheta de abertura e encerramento do programa. Era um programa jornalistico matinal, que na ocasião não ouvia por escolha própria, mas sim por que minha mãe gostava. O formato do programa permanece até hoje na mesma emissora e mesmo horário.

Na adolescência a música era muito mais importante que a notícia para mim, então fiquei "freguês" da Cidade FM. Lembro que no começo da emissora participei de diversas promoções que premiavam os primeiros a ligar e responder sobre o que havia sido tocado. Acho que como era início e não havia muitos ouvintes, sem precisar de insistir muito ganhei alguns brindes. Ia ao estúdio da emissora na Av. Paulista retirar meus prêmios, que iam de adesivos a LPs. O disco da Donna Summer é um dos que guardo até hoje. Na ocasião nem conhecia o trabalho da cantora, mas como era de graça....

Depois muitas FMs surgiram e o dial ficou pequeno, e a Cidade deixou de ser a única opção e passei a ouvir outras, e quando a 89 chegou fui fiel a ela. Muito mudou desde de então, aparelhos mais compactos, surgiram os walkmans, os cds, com discmans, mp3, iPods... e o rádio por muito tempo deixou de ser a minha principal opção para ouvir música.

Em 95 quando a CBN passou a usar a frequência da rádio Excelsior passei a ouvi-la. A correria do dia a dia não permitia mais que eu visse jornais televisivos, e não era sempre que dava pra ler os jornais impressos. Então encontrei nesta rádio o que queria, informação. Hoje ouço além desta Eldorado e BandNews com o mesmo intuito.

O fato é que este veículo de comunicação continua sendo o de mais fácil acesso para todos. E hoje você pode ouvir a mesma emissora pela internet em qualquer lugar do mundo, mas também no radinho de pilha do porteiro, no carro, na academia, em todo lugar. É verdade que a TV hoje também disfruta da mobilidade, porém na maioria das vezes temos que utilizar a visão além da audição para entendê-la. Podemos entre outras coisas dirigir, cozinhar e escrever enquanto ouvimos rádio, já a TV não.

Resumindo, sou fã do Rádio, e concordo quando dizem que é um veículo companheiro, e que nem a TV ou mesmo a internet vão acabar com ele, veja o que já dizia o saudoso Vicente Leporace:

http://www.vozesbrasileiras.com.br/html/mp3/g/g-vicente_leporace.mp3

Reflexão, música, arte e poesia



"Assim como falham as palavras quando querem exprimir qualquer pensamento,


Assim falham os pensamentos quando querem exprimir qualquer realidade." Fernando Pessoa

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

E ainda tem gente que gosta de ver Brazil MMA Figth

O MMA (Mixed Martial Arts) teve seu início com a criação do Vale Tudo e seu apogeu com o Pride.

Um bando de homens musculosos e com orelhas trucidadas no tatame pondo à prova suas habilidades em nocautear o outro. Cada um com sua especialidade em artes marciais mas quase sempre cada lutador domina vários estilos (daí o nome MMA).

Cansados de ver o sangue jorrar no tatame, na Hungria e na Bielorrusia criou-se algo mais encantador: a luta de mulheres num ringue de chocolate!


Agora a pergunta que não quer calar: cadê a ESPN nessas horas? E a SporTv ou a Globo Esporte?


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Ucranianas protestam contra a prostituição

Ativistas de movimento feminista da Ucrânia, em defesa dos direitos da mulher, protestam nesta segunda-feira em Kiev, Capital da Ucrânia, contra uma possível propagação da prostituição durante a Eurocopa 2012, que será realizada na Ucrânia e na Polônia.

A julgar pelas fotos, as feministas contemporâneas estão mais animadas e mais interessantes do que aquelas das décadas de 60 e 70!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Aprendizado pelo biscoito

Os animais irracionais muitas vezes "aprendem" a agir contra sua natureza através do condiconamento. Inspirados nos estudos de Pavlov, o treinadores amestram animais utilizando o conceito básico: ação bem feita = recompensa. No caso do cachorrinho, o biscoitinho basta. O ser humano também pode ser treinado assim, principalmente na infância. Mas e um adulto que já tem suas necessidades satisfeitas, e já não lhe falta nada, o que pode ser feito para que ele aja de acordo com nosso interesse? O que pode ser uma boa recompensa para ele? Pois bem, estes caras do vídeo, patrocinados pela VW conseguiram, não sei por quanto tempo, fazer as pessoas jogarem o lixo no lixo, movidos pela curiosidade. Veja o vídeo com o som.
video

sábado, 12 de dezembro de 2009

Fator Fofura

Dizem que há algo em comum entre os bebês e animais como coelhos, gatos e filhotes de todo gênero: nos atraem porque sentimos imediata simpatia em função de suas qualidades como o fato de parecerem indefesos, puros, pequenos, engraçados e por terem aparência física "fofa" com a qual nos identificamos.

A isso designaram de fator fofura!

Parece que é exataemnte isso que move toda a indústria que trabalha para criar mimos, seja para as crianças, seja para nossos "pets".


Assim como nessa foto:














Bom, eu chamaria isso de fator frescura...

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

"BRASIL, um país para todos"

Taí uma prova de que o Brasil está investindo em educação: FERNANDINHO BEIRA-MAR fará prova do ENEM em Janeiro de 2010 juntamente com outros 41 detentos.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u665065.shtml

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Martini ou Dry Martini

Qual a diferença entre o coquetel que leva o nome Martini e o outro designado como Dry Martini?

O que quer dizer a expressão "hang ten"?

Essas são as reflexões da noite...rsrsrsrs

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Tende piedade de nós!

Um dia após postar sobre as sujeiras nas ruas as chuvas se encarregaram de tornar a vida do paulistano um caos. Ruas alagadas, trânsito caótico e já podemos até antever o que vai ocorrer à partir de Janeiro quando as chuvas são mais fortes, mais intensas e impiedosas.


Agora, advinhem os motivos inconfessáveis de tantos alagamentos?

Não, não é o excesso de chuvas para o período.

Para aqueles que disseram que a culpa é da impermeabilização do solo, parabéns! Afinal, as construções não priorizam nenhuma solução de reutilização das águas da chuva e tampouco áreas verdes que - por certo - absroveriam boa parte da água.

Mas, chamo a atenção novamente, o grande vilão é a quantidade de lixo nas ruas e a falta de limpeza urbana (incluindo de bueiros e das galerias) que pode e deve ser responsabilizada pelo inferno em que vem se tornando a vida do paulistano a cada gota que cai do céu! O Sr. Kassab deveria ser responsabilizado pessoalmente por isso.

Oportuna se faz a leitura da matéria estampada pela Folha de São Paulo cujo link segue abaixo:

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

SUJEIRA NAS RUAS

Há poucos dias o prefeito do Rio de Janeiro acusou os cariocas de serem porcos. Não sem razão! É de pasmar a quantidade de lixo nas praias do Rio jogados, é claro, por seus frequentadores. De coco verde a latas de cerveja, de papéis a plasticos, tudo é jogado na areia, ali mesmo onde o cidadão se sentará para curtir a praia.

Mas ser porco não parece um defeito do carioca.

Ouso dizer que o brasileiro - do pobre ao rico, do letrado ao iletrado - é desprovido de senso de asseio público ou, para usar o populesco, é porco!

Tomo por exemplo as ruas de São Paulo. Uma megalópole frequentada por todo tipo de gente, pessoas do mundo inteiro e, obviamente, do Brasil todo.

Temos aqui o único restaurante na américa latina que figura entre os 50 melhores do mundo. Temos o maior tráfego de helicópteros da América Latina e o segundo maior do mundo. Temos o maior orçamento da União. E temos, também, tanto lixo nas ruas que o filme CEGUEIRA nem precisaria usar de lixo cenográfico em suas filmagens se viesse hoje rodar em São Paulo.

É de pasmar que as pessoas - de todo nível social e econômico - não se peje de jogar lixo na rua. De bitucas de cigarros e chicletes a caixas de papelão e sofás, passando por toda sorte refugos menores, as ruas de São Paulo viraram um lixão a céu aberto.

Claro que somado ao comportamento de porco assumido pelos cidadãos a municipalidade participa com limpeza deficitária das ruas, das praças, bueiros e galerias.

O resultado é aquele que há anos assistimos: chove e a cidade tem alagamentos, sujeiras e a vida do paulistano fica impraticável.

Dá vergonha!

sábado, 5 de dezembro de 2009

Sensação de Cinza

Se você vive em São Paulo, ou em qualquer grande centro urbano, entende, ou ao menos está acostumado com este tipo de imagem. Muitos discutem o tema enquanto as montadoras fabricam mais veículos, as concessionárias vendem, os ambientalistas brigam por menos emissões, o Brasil acha mais petroleo, e os governantes se reunem em Copenhague. Mas a intenção aqui não é tratar de meio ambiente, mas quero levantar uma bandeira por uma cidade menos black and white, e mais colorida. Acredite, nesta foto temos 100 carros, destes 92 são pretos, cinzas ou brancos. ou seja somente 8 tem cores! Por que preto e branco? O que temos contra os vermelhos, amarelhos, verdes, azuis, laranjas, rosas etc? Pelas cores vivas nos nossos carros, por uma São Paulo mais viva e menos cinza!

A propósito, meu carro ainda é cinza. : ( Quero um vermelho)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

E a culpa é dos jovens?

Vez por outra ouço pessoas bradando em alto e bom som contra os comportamentos dos "jovens de hoje". Culpam as mazelas do dia a dia pelo mal comportamento desses jovens (seja lá quem são eles) que "perderam os limites", não estão mais sintonizados com os "valores e princípios" do passado, não respeitam os mais velhos e etc...

Muito bem, quanto mais eu olho para o mundo menos culpa eu posso ver "nos jovens de hoje". Seus valores e seus princípios são aqueles plantados pelos jovens de "ontem" e que são os velhos de hoje.

Os jovens são educados e influenciados pelos mais velhos. Desde os exemplos que têm em casa até a educação escolar, são os mais velhos que educam e influenciam os jovens. E os dirigentes das instituições privadas e públicas? Não são jovens no comando! Os políticos e governantes não são jovens, como não são jovens os juízes, os delegados, os médicos, os professores, os jornalistas, os diretores de TV, os banqueiros, os produtores musicais e todos aqueles responsáveis por construir nossa sociedade.

Claro que quando me refiro a jovens estou usando da idéia plantada no senso comum de que jovem é aquela pessoa que está inserida na adolescência e no início da fase adulta. Aquela mesma faixa etária identificada pelo IBGE como sendo dos 15 aos 24 anos de idade.

A culpa por um Brasil conturbado, como está o nosso, jamais poderia ser atribuída ao jovem que, de uns tempos para cá, vem se tornando minoria. O país envelhece num ritmo curioso: decresce cada vez mais a taxa de natalidade, aumenta a taxa de mortalidade entre jovens e cada vez mais cresce a expectativa de vida entre os mais velhos.

Acredita-se que nesse ritmo o Brasil terá em 2050, de sua população total, 13,15%  de jovens contra e 22,71% da população mais velha, sendo que a média etária da população será em torno de 46,50 anos.

Ainda há tempo para que gente da minha geração (tenho 40 anos) se concientize de que nós seremos os velhos do futuro e temos o dever de dar o exemplo para os jovens de hoje e de amanhã seguirem. Somos nós que formamos os vindouros e somos nós os responsáveis por um amanhã melhor. Os jovens do amanhã serão fruto de nossa consciência diante da vida, serão apenas o resultado daquilo que plantarmos, como os jovens de hoje são o resultado do que plantaram anteriormente.