sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Gordinhas e afins

Um dia desses eu estava na praia e ouvi o seguinte comentário: "Olha aquela mulher! Será que ela não tem simancol? Não tem noção de ridículo? Me poupe..."

Era uma garota dizendo isso para sua amiga a respeito de uma terceira que estava "acima do peso" (era gordinha) e, muito satisfeita e feliz, usava um bikini bastante ousado e revelador.

Mas aí eu fiquei pensando intrigado: "O que aquelas meninas esperavam? Que a moça tivesse vergonha de si e de seu corpo? Se ela estava feliz consigo e com suas formas, a ninguem mais cabe se incomodar. As meninas estavam incomodadas com a visão daquilo que elas consideravam estéticamente ofensivo? Então, parassem de olhar, ora!"       

Tempos depois desse episódio me deparei com essas fotos:








E com esse vídeo:


Gente, como é bom estar bem consigo e não ligar para o que os esqualidos da moda ditam!

Sempre que eu vejo uma mulher modelo, dessas magérrimas a imagino como um quadro negro ou uma tela em branco: não tem graça alguma, não charme ou beleza é apenas um cabide no qual (por sua ausência de formas) o artista inserirá sua obra!

É meio triste que essa coisa mórbida seja o modelo estético vigente, mas sempre existem pessoas que estão para além disso, que são movidas pela autoestima e o amor próprio que talvez aquelas duas pirralhas desconhecem.

2 comentários:

  1. De pleno acordo.

    Saude e felicidade
    é bom em qualquer idade
    com o dobro do peso, ou a metade
    vale o tesão da beldade

    ResponderExcluir